20/09/2021 / Ramon Cardoso

Esporte

Gurias rubro-verdes encaram o Grêmio de igual para igual

Embora tenhamos acompanhado, no estádio, ao vivo, a estreia do Brasil Feminino (foto acima, de Ramon Cardoso/Jornal Informante), foi necessário rever o jogo pela FGF TV para compreender mesmo toda a dimensão da histórica partida que as gurias rubro-verdes fizeram contra as tricolores na abertura do Gauchão Feminino, um campeonato que se notabilizou, nos últimos anos, por ter uma supremacia absurda da Dupla Gre-Nal, com os times do interior servindo de saco de pancada, justamente pela diferença de investimento e estrutura.
Pelo menos nesta primeira amostra, o Brasil deu a entender que a coisa pode não ser bem assim. E tomara que não seja, não apenas pelas gurias rubro-verdes, mas pelas que defendem as demais equipes gaúchas, fora a Dupla. O duelo contra o Grêmio, no Vieirão, em Gravataí, quase foi uma sequência dessa história recente. A zagueira Joyce tentou um passe para a volante Bahia, Maglia interceptou e finalizou. Bina fez grande defesa a bola bateu na trave e voltou para as mãos da goleira rubro-verde, isso aos 15 segundos.
Certamente um gol, logo no início, colocaria por terra toda a estratégia do técnico Rodrigo Ramos. Mas o Brasil mostrou que estava muito seguro. A meia Luana deu a resposta aos 3 minutos, em chute de fora da área que passou perto do ângulo. A equipe farroupilhense não ficou esperando o rival, não foi encaixotada pelo Grêmio. Pelo contrário, em muitas vezes fez uma pressão média e alta, forçando as gurias tricolores a abusarem dos chuveirinhos para a área. Em um desses, a bola foi cortada pela zagueira Letícia e sobrou para Jane Tavares, que finalizou por cima de Bina na risca da pequena área.  
Embora com supremacia na posse de bola, o Tricolor não conseguia transformar esse domínio em chances de gol e o Brasil ameaçava nos contra-ataques. O Grêmio retomou uma bola de Fran Barbosa e Pri Back avançou e foi calçada pela volante Laysa. Na cobrança, ela mesma abriu o marcador colocando a bola no ângulo de Bina. Grêmio 1 a 0 no momento da partida em que a equipe mandante começava a ficar intranquila por conta do placar em branco. Aos 42 minutos, a melhor chance das gurias rubro-verdes. A volante Laysa interceptou um passe e deu um lançamento preciso para Pâmela, mas a finalização saiu por cima do gol de Raíssa.  
Muito consistente na marcação, o Brasil não ofereceu chances ao Grêmio e segurou bem o rival na etapa inicial. Mas a pergunta que não queria calar era: “Será que as gurias rubro-verdes vão ter perna para acompanhar o ritmo no 2º tempo, com sol do meio-dia, calor, e atuando contra uma adversária que treina todo dia e estava em ritmo de competição até bem pouco tempo, no Brasileirão?”. Não só conseguiram como o Brasil foi ainda melhor na etapa final, tendo inclusive mais chances de marcar do que o Grêmio.
Aos 10 minutos, a lateral esquerda Yasmin cobrou escanteio e Pâmela subiu mais alto que a defesa gremista, mas Raíssa estava bem posicionada e defendeu. Se a goleira do Grêmio foi bem nesse lance, foi mal no seguinte. Após recuo, Raíssa demorou para sair e foi pressionada pela meia Bruna, que quase tomou a bola para empatar. Aos 18 minutos, Yasmin tomou a bola na defesa e encontrou Pâmela que acionou Bruna na ponta, ela foi ao fundo e cruzou, mas um pouco alta para a lateral esquerda que fechava na segunda trave.
A técnica Patrícia Gusmão promoveu alterações no Grêmio, já que o Brasil começava a dominar o confronto. As gurias tricolores marcaram o 2 a 0 em jogada pela linha de fundo. No cruzamento, Letícia cortou e a bola sobrou para a lateral Gisseli, que chutou forte, no ângulo, para ampliar a vantagem aos 23 minutos. O Brasil seguiu intenso e em busca do gol de desconto. Buscando dar mais fôlego à equipe, o técnico Rodrigo Ramos sacou a meia Luana e colocou a atacante Yasmin Ramos, bem como a volante Andressa entrou no lugar de Laysa, aos 27 minutos. Aos 38 minutos, a atacante Bianca entrou no lugar de Yasmin para fazer história na sequência.
Aos 40 minutos, Letícia cobrou falta da intermediária para a área, a zaga não cortou e Bianca se aproveitou. Pegou de primeira, com muita categoria, de pé esquerdo, só deslocando Raíssa para marcar o gol farroupilhense em seu primeiro toque na bola, deixando o placar um pouco mais próximo da realidade do confronto (foto abaixo, de Ramon Cardoso/Jornal Informante). Aos 42 minutos, Bianca foi acionada e cruzou, a bola bateu na mão da defensora gremista, mas o árbitro Felipe Vuaden, ignorou o pênalti que poderia decretar o empate no placar. Aos 43, Barbosa lançou, a zaga cortou mal e a bola sobrou para Bruna que avançou e rolou para Bianca, que levou um pisão quando preparava o domínio. Falta na meia lua também ignorada por Felipe. 
A pressão seguiu até o fim, com o Grêmio se segurando para manter a vantagem até o apito final, que terminou em 2 a 1 para as gurias tricolores, mas com as gurias rubro-verdes saindo de campo muito satisfeitas com a performance, equilibrando um duelo contra uma equipe que chegou em 5º no Brasileirão, que tem atletas remuneradas, uma estrutura profissional e que treina todo dia. Agora o Brasil volta aos treinos nesta segunda e tem duas semanas de trabalho antes da estreia em casa, contra o Guarany de Bagé, no dia 3, às 15h, nas Castanheiras, o primeiro jogo das gurias rubro-verdes com a presença de público desde o Título do Interior de 2019. 

Muitos destaques
Ninguém das gurias rubro-verdes teve atuação sequer regular, jogaram todas num nível elevado. Bina foi segura quando exigida. Fran Barbosa atuou como coringa, fazendo as funções de volante, meia e o corredor pela esquerda, num ótimo entendimento com Yasmin, que foi intensa pela lateral. Letícia e Joyce tiveram uma atuação muito segura na zaga, assim como a capitã Adri na direita, especialmente no sistema defensivo.
As volantes Bahia e Laysa foram gigantes no ferrolho formado à frente da zaga. Luana atuou como meia e ponta pela direita e Bruna foi a legítima camisa 10, dando ritmo ao time. A centroavante Pâmela fez seu melhor jogo no Brasil, segurando a bola, fazendo proteção, parede para as meias e buscando a bola no meio campo para o avanço de meias e atacantes. Bianca entrou e mostrou que tem estrela, ao fazer o gol em seu primeiro toque na bola.

Elogio físico e tático
Cabe também reconhecer o trabalho do preparador Juliano Victor, o Juca. Mesmo com apenas três treinos por semana e ainda por cima noturnos, as gurias rubro-verdes não deixaram nada a desejar para as tricolores, pelo contrário, correram até mais. O esquema de Ramos também funcionou muito bem. Como Adri é uma lateral mais defensiva, ele usou ela mais presa na direita, fazendo com que Luana atuasse como uma ponta e até mesmo com a meia Bruna caindo pelo setor. Na esquerda, Barbosa dava o suporte para os avanços de Yasmin. A dupla de zaga e de volantes esteve sempre muito bem posicionada e Pâmela flutuou entre as linhas para confundir a defesa gremista. Foi um esquema muito bem pensado, que amarrou o Grêmio, e perfeitamente executado.

Arbitragem pavorosa
Felipe Vuaden, filho de Leandro Vuaden, fez seu primeiro jogo na estreia do Brasil Feminino ano passado, contra o João Emílio, em Guaíba. Foi uma catástrofe completa e ainda assinalou um pênalti inexistente em favor do João Emílio. Na estreia das gurias rubro-verdes neste ano, ele novamente roubou a cena. Dois pesos e duas medidas em muitos lances e, no final, um pênalti e uma falta na meia lua da grande área ignorados, mesmo estando a dois metros do lance. Se ele pensa que vai apitar no nome do pai, está muito enganado. Suas duas arbitragens foram ruins demais.

Gauchão Feminino (1ª rodada do Grupo A)
Grêmio   2

Raíssa; Vitória K, Lorena Gonzalez, Nataliê e Gisseli; Maglia (Mayara, aos 36 do 2º), Mariza, Maiara Lisboa (Tchula, aos 22 do 2º) e Pri Back; Nathane (Gabizinha, aos 22 do 2º) e Jane Tavares (Kika, aos 36 do 2º). Técnica: Patrícia Gusmão
Brasil   1
Bina; Adri, Letícia, Joyce e Yasmin (Bianca, aos 38 do 2º); Bahia, Laysa (Andressa, aos 27 do 2º), Fran Barbosa, Bruna e Luana (Yasmin Ramos, aos 27 do 2º); Pâmela (Duda, aos 47 do 2º). Técnico: Rodrigo Ramos
Gols: Pri Back, aos 35 do 1º tempo, e Gisseli, aos 23 do 2º, para o Grêmio; Bianca, aos 40 do 2º, para o Brasil
Cartões amarelos: Maglia e Gisseli (Grêmio), Luana e Joyce (Brasil)
Arbitragem: Felipe Vuaden, auxiliado por Jeissyevan Freitas Gonçalves e Elissandro Silva dos Santos
Local: Estádio Antônio Vieira Ramos, o Vieirão, em Gravataí
Data: Sábado, dia 18 de setembro de 2021

Compartilhe

Veja Também:

Coração e raça: Brasil está classificado às quartas da Segundona

O duelo, como se imaginava, foi muito brigado, peleado, truncado, com muito mais transpiração do que inspiração. O Brasil foi a campo neste domingo à tarde, nas Castanheiras, necessitando da vitória diante o Igrejinha para se classificar ao mata-mata da Segundona. O rival, por sua vez, tinha um sério risco de queda e, para não depender de terceiros, necessitava vencer.
Até mesmo por isso, o Igrejinha não ficou atrás. Mesmo assim, o confronto não foi franco. Foi de supremacia dos setores defensivos sobre os ofensivos. E as chances, nem eram chances, pois foram criadas a partir de faltas e escanteios....

18/10/2021 / Ramon Cardoso

Gurias rubro-verdes vencem novamente o Pelotas e praticamente selam classificação à semifinal

O Brasil Feminino não teve uma grande performance diante do Pelotas, neste domingo pela manhã, nas Castanheiras, mas o que valeu foram os três pontos e o fato da equipe não ter levado cartões, que é um dos critérios de desempate em caso de igualdade em pontos e vitórias. As gurias rubro-verdes chegaram aos 9 pontos e estão virtualmente classificadas à semifinal da competição estadual.
Sem a zagueira Joyce, lesionada, o técnico Fernando Varani promoveu alterações no time titular. A volante Bahia voltou à zaga, Laysa passou a atuar mais recuada, como única volante, e ...

17/10/2021 / Ramon Cardoso