18/12/2019 / Ramon Cardoso

Política

Orçamento é aprovado, situação racha no Legislativo e Silvestrin assume presidência da Câmara em 2020

Como era de se esperar a sessão legislativa de terça, a última do ano, se estendeu por longas seis horas na Câmara de Vereadores. Era perto da meia-noite quando ela foi encerrada. A pauta foi limpa, com destaque para a votação e aprovação do orçamento e retirada de pauta, por parte do governo, dos projetos que promoviam a reestruturação da estrutura administrativa e inchavam a máquina pública, inclusive com a criação de uma nova pasta.
Porém, na maior parte da noite, o debate girou em torno mesmo do Plano Plurianual e do Orçamento para o próximo ano. Com o Legislativo cheio, foi o momento oportuno para troca de acusações entre situação e oposição sobre quem tinha feito mais com menos. Muito pouco da peça em si foi debatido, exceto as emendas propostas pelos parlamentares, todas aprovadas, bem como o projeto, que prevê R$ 330 milhões para o próximo ano.
Vencida a etapa, quando a sessão já chegava às 22h e foi autorizada sua prorrogação por mais duas horas, a pauta foi interrompida para a inscrição de chapas para a Mesa Diretora de 2020, que necessitava ser feita de maneira imperiosa, ainda que os demais projetos tivessem que ficar para o próximo ano. Foi aí que ocorreu a grande reviravolta da noite, com a oposição abrindo mão da candidatura de Arielson Arsego (MDB) para dar apoio a Fernando Silvestrin (PSB).
Apoiado pelas bancadas do MDB e do PP, ele venceu Maria da Glória Menegotto (Rede) por oito votos contra sete, e assume o comando da Casa Legislativa Lidovino Antônio Fanton no próximo ano (foto acima, de Ramon Cardoso/Jornal Informante, com a Mesa Diretora). Campeão de votos na última eleição ao Parlamento, com 1.777 votos, o ex-secretário assume pela primeira vez o comando da Casa. Sua saída da Secretaria de Desenvolvimento Rural, no final de agosto, expôs uma divergência dentro da situação que ficou escancarada na noite de terça. Silvestrin deve deixar o PSB e assinar ficha no PL em 2020, sigla que deve apoiar o bloco oposicionista que buscará a prefeitura, capitaneado pelo PP e tendo o MDB como fiel escudeiro.
Glória e o bloco de situação alegam que havia um acordo assumido e assinado pelos vereadores que estabelecia que ela assumiria o Legislativo, num rodízio acertado desde o começo da atual legislatura. O presidente eleito não quis polemizar, mas ressaltou que acordo mesmo tem que ser bilateral e que muitas questões que haviam sido combinadas não foram cumpridas. Silvestrin disse estar tranquilo e com a certeza de que havia feito sua parte, mas não tido a contrapartida do eventual acerto. Por fim, disse que vai buscar fazer um excelente trabalho e ser o presidente de todos os vereadores.

A Mesa Diretora do Legislativo para 2020
Presidente:
Fernando Silvestrin (PSB)
1º vice-presidente: Jonas Tomazini (MDB)
2º vice-presidente: Tadeu Salib dos Santos (PP)
1º secretário: Arielson Arsego (MDB)
2º secretário: Jorge Cenci (MDB)

 

 

Compartilhe

Veja Também:

Prefeito convoca coletiva, mas explica pouco

Convocada antes mesmo da admissibilidade, por parte do Legislativo, da abertura do processo de impeachment, a entrevista coletiva dada pelo prefeito Claiton Gonçalves, no final da manhã desta terça, no Salão Nobre da Prefeitura, mudou um pouco o foco inicial, tendo em vista os acontecimentos da segunda à noite, na Câmara, mas não por inteiro, já que o propósito do chefe do Executivo, de romper com os contratos, foi mantido.
“Estou dando um passo atrás, tanto na compra dos terrenos quanto na chamada pública da plataforma de saúde. Ouvimos o clamor da comunidade”, comentou Claiton, logo na ...

18/02/2020 / Ramon Cardoso

Legislativo aceita denúncia do pedido de impeachment contra Claiton

A compra de quatro terrenos para a Secretaria da Saúde, no valor de R$ 1,45 milhão, por parte da prefeitura, baseou uma denúncia de pedido de impeachment contra o prefeito Claiton Gonçalves (foto acima, de Yasmin Signori Andrade/Jornal Informante). A questão foi analisada nesta segunda à noite, em longa sessão legislativa.
O pedido foi feito pelo empresário Glacir Gomes, que juntou documentos e alegou, na fundamentação de seu material, que o chefe do Executivo feriu o artigo 97 da Lei Orgânica do Município ao adquirir terrenos sem autorização prévia da Casa Legislativa Lidovino A...

18/02/2020 / Ramon Cardoso