14/03/2020 / Ramon Cardoso

Esporte

Gurias rubro-verdes recolocam Brasil no cenário nacional

A foto acima (Ramon Cardoso/Jornal Informante) representa muito. Não é somente uma viagem a Chapecó e, na sequência, a Xanxerê, no início da tarde dominical, para uma partida de futebol feminino. Ela rompe com um hiato longo, de 19 anos da Sociedade Esportiva, Recreativa e Cultural (SERC) Brasil sem participar de uma competição nacional. A última vez ocorreu há pouco mais de 19 anos, na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2001. E as responsáveis por quebrar essa barreira foram as gurias rubro-verdes, que jogam neste domingo contra a Chape na abertura do Brasileirão Série A2.
“O trabalho que tinha que ser feito na pré-temporada foi feito, agora é hora de conversa, de passar tranquilidade. As gurias lutaram e conquistaram isso, então o momento é de desfrutar, chegou a melhor parte, a hora do filé mignon. Claro que há a ansiedade, o frio na barriga, mas profissional que não sente isso não está comprometido. Depois que começa o jogo tu esqueces tudo. A ideia é fazer uma marcação pressão nos minutos iniciais e tentar o gol, que nos daria certa tranquilidade. Vamos jogar uma competição muito importante e estamos preparados”, destacou o técnico Luciano Almeida. A Chape deve ir a campo com o time Sub-17, o que pode ser um fator a favor das farroupilhenses, já que a média de idade do Brasil é bem mais elevada.  
Projeto iniciado há menos de três anos, o time feminino do Brasil já conseguiu resultados expressivos em sua temporada de estreia, quando finalizou o Gauchão em 4º lugar, sendo derrotado na semifinal pelo Internacional, à época, única equipe do Rio Grande do Sul na elite nacional, ou seja, profissional, com atletas vivendo de jogar futebol. Na temporada passada, o acesso do Grêmio à Série A1 abriu uma vaga gaúcha para o nacional, que seria dada à melhor equipe do interior. Como a Dupla Gre-Nal chegou à decisão, Brasil e Oriente, de Canoas, decidiram o posto no Cristo Rei, em São Leopoldo (foto abaixo, do Arquivo Jornal Informante).
Neste deslocamento a Chapecó, as gurias rubro-verdes levam uma bagagem pesada. De um projeto incipiente, mas que logo rendeu frutos porque foi alicerçado no trabalho, na dedicação, no esforço e no amor ao clube. Foram treinos e mais treinos realizados à noite, com chuva, frio, cerração e formação de geada no gramado das Castanheiras lá pelas 23h de uma sexta. Quem estava lá certamente lembrará. Foram longas viagens, triunfos suados, derrotas doídas, embates homéricos. Tudo isso entra no pacote desse duelo de estreia na competição nacional. Não é pouca coisa. É muita para o futebol feminino, que ainda busca espaço, e muito mais para um projeto iniciado há tão pouco tempo.
A abnegação, garra, raça e vontade, que sempre foi vista no trabalho desenvolvido no Futebol Feminino do Gigante das Castanheiras, parece fortalecida neste ano e isso é fundamental. Ganhar ou perder faz parte do jogo, mas deixar a alma, suor e sangue em campo é o que mais importa e certamente é o que farão as gurias rubro-verdes, não somente em nome do clube que defendem, mas também das colegas que não foram ao duelo e dos torcedores que amam o clube e certamente estão exultantes com a conquista, que foi permeada com o que é mais sagrado, e justamente por isso é tão valorizada: o amor ao futebol.
Gil, Bina, Adri, Ifi, Luane, Letícia, Jana, Djuli, Bianca, Laysa, Sara, Bruninha, Fraa, Galiotto, Kelly, Greyce, Tuca, Pati e Pâmela, as que integram a lista do técnico Luciano Almeida, sem sombra de dúvida, honrarão o manto rubro-verde. Que quando entrarem em campo, também lembrem da jornada percorrida, de quem fez parte dela (que não está na delegação ou até mesmo no clube), que desfrutem de cada segundo e que sigam fazendo história. Levam com elas não somente a torcida, mas o coração de todos os rubro-verdes. Valeu demais, gurias, muito orgulho pela jornada mas, por favor, não parem por aí. Pra cima delas, Brasil !!!

Atletas relacionadas
Goleiras: Gil e Bina
Laterais: Adri e Jana
Zagueiras: Luane, Ifi e Letícia
Volantes: Sara, Laysa, Djuli e Bianca
Meias: Bruninha, Fraa e Galiotto
Atacantes: Pati, Tuca, Kelly, Pâmela e Greyce

Brasileirão Série A2
Grupo F (1ª rodada)

Chapecoense  x  Brasil
Domingo, às 15h
Estádio José Annoni (Xanxerê)
Pelo site: torcedores rubro-verdes podem acompanhar o duelo pelo www.mycujoo.tv.

Compartilhe

Veja Também:

SERC BRASIL REALIZA CLÍNICA DE FUTEBOL FEMININO

Depois dos guris, é a vez das gurias. O Brasil realiza Clínica de Futebol Feminino. As vagas são limitadas, para atletas nascidas até 2004, e a avaliação acontece nos dias 5 e 6 de março, nas Castanheiras. A atleta inscrita será avaliada em diversos períodos, por meio de treinamentos técnicos, físicos e táticos, buscando diagnosticar o potencial, além de questões comportamentais e convivência em equipe, avaliando a possibilidade de integrar o elenco das gurias rubro-verdes para a temporada 2021.
No ano, além do Brasileirão Série A2 e Gauchão, o time fa...

23/02/2021 / Ramon Cardoso

Brasil abre na segunda inscrições para suas categorias de base

A temporada 2020 foi terrível para o futebol, não apenas para o profissional, mas inclusive para as divisões de base dos clubes. Justamente por isso, a Sociedade Esportiva, Recreativa e Cultural (SERC) Brasil estabeleceu, como uma de suas políticas prioritárias para o ano, o restabelecimento das categorias de base do rubro-verde, as tradicionais escolinhas.
Na próxima segunda abrem oficialmente as inscrições, que são destinadas a atletas nascidos entre 2006 e 2011, para as categorias Sub-11, Sub-13 e Sub-15, tanto no masculino quanto no feminino. Os treinos serão realizados no período da tarde e as inscri&...

19/02/2021 / Ramon Cardoso