22/10/2017 / Ramon Cardoso

Educação

Do cofrinho ao mercado de trabalho, a Feira de Educação Financeira do São Tiago

Projeto que mobilizou os professores de Matemática desde o início do ano letivo, a Feira de Educação Financeira do Colégio Estadual São Tiago foi concluída neste sábado com jogos e com comercialização de produtos alimentícios produzidos pelas empresas que fizeram parte do projeto, que envolveu as séries finais do Ensino Fundamental, ou seja, do 6º ao 9º ano, e as turmas de Ensino Médio.
“Os próprios alunos confeccionaram, com materiais reciclados, seus cofrinhos. Foi destacada a importância de poupar e economizar para conquistar os sonhos futuros, e de só gastar aquilo que se tem. Logo eles vão entrar no mercado de trabalho e esses são valores importantes. Em contato com as famílias, vão ser multiplicadores dessas iniciativas”, destacou a professora Magda Lazzari.
A docente, ao lado da colega Derlise Fiametti Xavier, ministra Matemática do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental. Mas a questão não ficou restrita a ensinamentos básicos da economia, muito pelo contrário. Orçamento familiar, endividamento, juros sobre cartão de crédito, arrecadação de impostos e criação de micro empresas também foram temas abordados com as turmas do Ensino Médio.
“Os alunos tiveram uma palestra sobre Educação Financeira e, em cima disso, criaram uma família projetando seus gastos, que serviu de conscientização sobre a importância de poupar”, explicou a professora Francieli Menti, que ministra a disciplina para as turmas de 1º ano do Médio do São Tiago, assim como a colega Alessandra Girelli, que também dá aulas de Matemática para o 3º ano.
“Falamos muito também sobre uma questão atual, que é o endividamento das famílias e os problemas que isso pode gerar no orçamento familiar”, comentou Alessandra. A professora Magda reforçou que o objetivo do trabalho, que igualmente teve atuação do professor Márcio Crippa, foi de transformar a Matemática como uma aliada na vida dos estudantes.
“Nas nossas aulas tratamos muito de juros sobre o cartão de crédito, cheque especial e impostos arrecadados sobre os produtos. É importante que tenham consciência da nossa carga tributária e que saibam para onde vão os recursos dos impostos para cobrar uma contraprestação por parte do Estado que, infelizmente, não existe”, enfatizou a professora Eliane Moroni, do 2º ano. Por fim, foi a vez de testar o mercado de trabalho.
“Os alunos montaram uma micro empresa para a venda de um produto e, em cima disso, levantaram todas as questões que envolve o setor. O custo com equipamentos, mão de obra até mesmo os investimentos em marketing para vender esse produto”, ressaltou a docente Rosângela Peroni, que ministra aulas para o 3º ano do Ensino Médio.
As empresas criadas, quase todas do ramo alimentício, venderam seus produtos na Feira ocorrida neste sábado pela manhã, que serviu como forma de encerrar a atividade anual e, claro, promover uma grande confraternização entre os cerca de 1,1 mil alunos de 33 turmas do São Tiago que estiveram envolvidas na ação. Na foto acima, a movimentação no ginásio onde foi finalizada a Feira de Educação Financeira e, abaixo, as professoras que participaram do projeto: Derlise, Magda, Francieli, Alessandra, Eliane e Rosângela.   

Compartilhe

Veja Também:

Previsão do tempo: Meninas nas Ciências

Projeto desenvolvido desde o ano passado no Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) Campus Farroupilha, o Meninas nas Ciências conseguiu um aporte de R$ 90 mil reais do CNPQ, para o desenvolvimento de um projeto de implantação de Estações Meteorológicas, que será trabalhado durante dois anos.
Neste primeiro, as alunas, do 7º ano ao Ensino Médio, têm aulas no IFRS Farroupilhense, com professores de várias disciplinas relacionadas à área do projeto em questão. Acima (na foto de Juliana Inês Casa Barbieri/Jornal Informante), nesta terça à...

26/03/2019 / Ramon Cardoso

Olga Ramos Brentano protesta pela falta de professores

Com cartazes e palavras de ordem, alunos da Escola Estadual Olga Ramos Brentano (foto acima, de Juliana Inês Casa Barbieri/Jornal Informante) realizaram um protesto na manhã desta terça, que saiu da instituição de ensino, localizada no bairro 1º de Maio, e foi até a Escola Estadual José Fanton, no bairro Volta Grande. Faltam professores para sete disciplinas no educandário. 
A preocupação é grande justamente porque a Olga Brentano é uma instituição de Ensino Médio, o que pode comprometer o desempenho dos estudantes na futura prova do ENEM. Não somente a...

26/03/2019 / Ramon Cardoso