09/10/2017 / Daniel Rufatto

Política

“Daqui a 12 meses teremos eleições e poderá se construir um novo País”, diz Ana Amélia

Em Farroupilha nesta segunda, a senadora Ana Amélia Lemos palestra logo mais, às 19h30min, sobre o “Cenário econômico e político: atual momento e perspectivas para o Brasil”, durante reunião-jantar da CICS no Restaurante Parque dos Pinheiros. À tarde, em entrevista coletiva após encontro com empresários associados à entidade, ela comentou sobre alguns dos principais assuntos relacionados a Brasília atualmente. Um deles foi o relacionado à continuidade ou não de Michel Temer (PMDB) na Presidência da República.
“O governo Temer não é nenhuma Brastemp. Mas, falando hipoteticamente, se tirar ele agora e colocar o Rodrigo Maia, pode prosseguir o mesmo cenário, já que também há denúncias contra ele. E pode-se entrar em um processo de instabilidade institucional e ingovernabilidade. Não que eu esteja defendendo o Temer, quero que a legalidade prevaleça. Porém, as condições do País têm de ser vistas neste ângulo da institucionalidade. Daqui a exatamente 12 meses teremos eleições e poderá se construir um novo País”, comentou a progressista. Ela ainda antecipou que, mesmo com compromissos internacionais previstos, votará a favor em um eventual processo de cassação do mandato do senador Aécio Neves (PSDB).
“Vou deixar por escrito meu voto em relação ao caso Aécio Neves, dependendo do que o STF deliberar sobre o tema. Votei pela cassação do mandato de Demóstenes Torres (DEM) em 2011, de Delcídio do Amaral (PT) em 2015, pelo afastamento e pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016 e vou votar, se vier o processo de cassação do mandato de Aécio, da mesma forma, pela cassação, mesmo que tenhamos tido uma aliança eleitoral em 2014. Minha régua moral precisa ser igual. Não posso tratar de modo diferente, coisas iguais”, assinalou Ana Amélia. Na foto acima, de Daniel Rufatto/Jornal Informante, a senadora progressista ao lado do presidente da CICS Farroupilha, o empresário Daniel Bampi. 

Compartilhe

Veja Também:

Redução de custos e aumento de público: presidente Sandro faz balanço do ano legislativo

Após a mais longa sessão legislativa, talvez da história da Câmara de Vereadores, na terça à noite, a quarta à tarde foi destacada pelo presidente Sandro Trevisan (PSB), que está encerrando o mandato, para a apresentação de um relatório do trabalho executado ao longo de 2019. O vereador Jonas Tomazini (MDB) também esteve presente. Além dos dados (veja alguns deles abaixo), o professor fez questão de destacar o enxugamento promovido pela Casa, especialmente com a redução de cargos.
“Tínhamos previsto no orçamento deste ano um valor de 1,27% e a estimativ...

19/12/2019 / Ramon Cardoso

Orçamento é aprovado, situação racha no Legislativo e Silvestrin assume presidência da Câmara em 2020

Como era de se esperar a sessão legislativa de terça, a última do ano, se estendeu por longas seis horas na Câmara de Vereadores. Era perto da meia-noite quando ela foi encerrada. A pauta foi limpa, com destaque para a votação e aprovação do orçamento e retirada de pauta, por parte do governo, dos projetos que promoviam a reestruturação da estrutura administrativa e inchavam a máquina pública, inclusive com a criação de uma nova pasta.
Porém, na maior parte da noite, o debate girou em torno mesmo do Plano Plurianual e do Orçamento para o próximo ano. Com o Le...

18/12/2019 / Ramon Cardoso