15/04/2018 / Ramon Cardoso

Esporte

Brasil perde em casa e fica em situação delicada na Segundona

Atuando nas Castanheiras, o Brasil perdeu para o Tupi neste domingo e colocou ainda mais em risco sua permanência na Segundona Gaúcha. A derrota manteve a equipe farroupilhense na lanterna do Grupo B e ainda sem vencer na competição estadual. O clube contabilizou sua sexta derrota e tem apenas três empates na Segundona.
O Brasil começou o duelo em cima do Tupi e com volume de jogo. Aos poucos, porém, a equipe de Crissiumal passou a equilibrar o duelo. As melhores chances foram criadas pelo meia atacante Jonatan. Em um chute cruzado, obrigou Robinho a grande defesa e, no rebote, o centroavante Leandro Rodrigues cabeceou e o goleiro do Tupi foi buscar, aos 11 minutos. Apesar do maior domínio de jogo e mais posse de bola, o time farroupilhense tinha muitas dificuldades para criar. A etapa inicial ficou mesmo no 0 a 0.
Na volta do intervalo, Andrezinho entrou no lugar de Juninho Botelho, de atuação apagada. Jonatan arriscou chute de fora da área, aos 5 minutos, levando perigo ao gol de Robinho, o goleiro do Tupi. Bem postado defensivamente, o time visitante não dava espaços para o rubro-verde que, por sua vez, tinha pouca movimentação ofensiva, o que facilitava o encaixe da marcação do rival.
Não demorou muito, o Tupi que abriu o marcador. Após cobrança de escanteio, a zaga afastou mal, a bola ficou com o time de Crissiumal e foi rolada para o volante Charles, que pegou firme, da entrada da área. Prezzi ainda chegou a tocar nela, mas não evitou o 1 a 0 aos 8 minutos. Com um time jovem, o Brasil acusou o golpe. A equipe demonstrou nervosismo e muitas ligações diretas.
O auxiliar Raone Gomes, que substituía o técnico Alex Xavier, que havia sido expulso em Erechim, teve que fazer outra troca após Jonatan sentir um estiramento na coxa direita. Em seu lugar entrou o atacante Luiz Gustavo. O técnico Fabiano Borba tratou de segurar o placar. Tirou o centroavante Cléber Guerreiro e colocou o volante Moisés Baiano. Na sequência, troca de meias, com Renatinho dando lugar a Rafinha.
O time farroupilhense seguia sem criação. O técnico Raone sacou o volante Tawan e colocou o meia Julio Cezar, mas a troca pouco surtiu efeito. O rubro-verde continuou afoito, precipitando jogadas, rifando bola e tentando ligações diretas. Ficou fácil para o ferrolho defensivo armado pelos visitantes, como comprova a foto acima, de Ramon Cardoso/Jornal Informante. O Tupi ainda efetuou a troca de Jorge Pedra por Henrique Café. No final, o zagueiro do Brasil Gustavo Gomes foi expulso direto por entrada violenta em Rafinha. Com um a menos, faltou forças para a equipe farroupilhense chegar ao empate.
“Acho que o fato de ainda não termos vencido até agora deixou o time ansioso, nervoso. Começamos bem, em busca do gol e no ataque. Aos poucos, a equipe acabou sentindo a pressão. Após o gol, sentimos bastante, a parte emocional acabou influenciando. Temos um time com uma média de idade muito baixa, não é uma equipe calejada, que aguenta a pressão”, admitiu Raone no encerramento do duelo. Resta juntar os cacos e fazer do duelo contra o Igrejinha, na quinta, uma final de Copa do Mundo.
“Temos feito treinamentos muito produtivos, mas o time não consegue reproduzir isso em campo. É o momento de cada um assumir a responsabilidade, não se eximir dela, mas também não deixar que ela seja demasiada para afetar o rendimento”, avaliou. Um dos problemas a corrigir é a dificuldade do time em furar ferrolhos defensivos, já que o Igrejinha, com três pontos a mais que o Brasil e saldo pior, deve vir a Farroupilha em busca de pelo menos um empate, que seria trágico para o rubro-verde.
“Tivemos muita dificuldade em encontrar espaços na defesa do Tupi. Contra o Igrejinha temos que fazer um jogo de movimentação, rodar a bola, abrir as linhas defensivas para chegar na área adversária”, projetou Raone. Como ainda resta o confronto com o rival direto que está com um saldo pior que o rubro-verde, o Brasil ainda depende das próprias forças, mas precisa vencer o duelo na quinta, nas Castanheiras. Uma simples vitória já provoca a inversão da posição do Igrejinha com o rubro-verde. Será uma das partidas mais importantes da história do clube farroupilhense.   

Segundona Gaúcha (9ª rodada da 1ª fase – Grupo B)
Brasil   0

Prezzi; Daniel, Gustavo Gomes, Vinicius e Paulo Roberto; Júlio César, Tawan (Julio Cezar), Juninho Botelho (Andrezinho), Jonatan (Luiz Gustavo) e Gustavo Moura; Leandro Rodrigues
Técnico: Raone Gomes
Tupi   1
Robinho; Rodrigo Buiu, Jéferson, Gian e Jáder Canhoto; Charles, Renato, Cleberson e Renatinho (Rafinha); Jorge Pedra (Henrique Café) e Cleber Guerreiro (Moisés Baiano)
Técnico: Fabiano Borba
Gol: Charles, aos 8 minutos do 2º tempo, para o Tupi
Cartões amarelos: Gustavo Gomes, Vinicius e Julio Cezar (Brasil), Charles, Jáder Canhoto, Renato, Rafinha e Henrique Café (Tupi)
Cartão vermelho: Gustavo Gomes  
Arbitragem: Cleiton Pache, auxiliado por Renan Gayeski Ramos e Maicon Fernando da Silva
Local/Data: Estádio das Castanheiras, em Farroupilha, dia 15 de abril de 2018

Compartilhe

Veja Também:

AVN/AM tem metade dos classificados definido

A rodada do fim de semana do Ângelo Venzon Neto/Antônio Minella (AVN/AM), com a disputa do Quadrangular 2, definiu mais três habilitados para o Quadrangular Final do torneio, um representante em cada uma das três categorias da disputa: Veterano, 1º e 2º Quadros.
Na abertura dos trabalhos, no sábado, quem ficou com a vaga foi o caxiense Kaiser/Alemão Suspensões, que se junto ao conterrâneo S.R. 1º de Maio, atual campeão e que havia se classificado na rodada de abertura. No domingo, mais dois garantidos, desta vez nos suplentes e titulares.
Pelo 2º Quadro, o farroupilhense G.E. Julieta ficou com a va...

21/01/2019 / Ramon Cardoso

Sidenei e Cleonir, da Hermelu Runners, prontos para a Ultramaratona Brazil 135

Os atletas Sidenei Feliponi e Cleonir Simonetti (foto acima), da Hermelu Runners, encaram nesta quinta uma prova que testará seus limites físicos, emocionais e mentais: a Brazil 135 é uma ultramaratona de 135 milhas (223 quilômetros), que integra o Circuito de Ultramaratonas Extremas Bad 135. O trajeto, que cruza a Serra da Mantiqueira, tem saída de São João da Boa Vista, em São Paulo, e chegada em Paraisópolis, em Minas Gerais. A prova é ininterrupta e os participantes têm até 60 horas para concluir o trecho.
“A competição é o maior desafio da minha carreira como atleta. Fi...

16/01/2019 / Ramon Cardoso